ZUMBI DOS PALMARES - CARTA DE NASSAU
Foto de Abertura - CLIQUE P/ VOLTAR
Maurício de Nassau
"Óleo anônimo"
"Coleção J. de Sousa Leão - Rio de Janeiro"

Carta de Maurício de Nassau à Holanda em 1637.

"Acho este país um dos mais belos do mundo. Sua tropicalidade não se prende unicamente ao fator climático, mas à personalidade deste povo visualmemte empenhado em assentar raízes dentro do aspecto regionalista pátrio de cada região, por um todo.


Mesclaram-se etnológica e culturalmente a ponto de sentirem-se brasileiros, mesmo sendo filhos de portugueses.


Aceitam-nos por contingência imposta e até conosco convivem socialmente. Porém, jamais nos aceitarão definitivamente.


O mesmo não se permite falar dos portugueses, que não assimilaram esta tropicalidade. Aceitaram a nossa presença e até reconheceram a nossa posse sobre a terra que lhes conquistamos. Quanto a estes, nossa administração é mansa e pacífica e eventualmente óbvia pelo esbulho compulsório, com preços que variam desde um alto cargo no governo flamengo da colônia, até alguns florins para gastos em tabernas. É portanto, uma ocupação em caráter "ad infinitum" no que concerne a eles.


Quanto aos primeiros, exige-se uma reflexão minuciosa recheada de precauções, pois estes não têm preço. Se alguns, de certa forma, a nós se uniram, o fizeram com o único intuito de abreviar o domínio português na terra para, posteriormente, também abreviar a nossa permanência. Estes somente com muita diplomacia e, segundo constatamos, mediante uma miscigenação sociocultural, dividindo-nos com eles e dividindo-os conosco, se aqui quisermos permanecer.


Os índios, colonos e negros estão unidos em um espírito de liberdade jamais conhecido nas cortes européias. Portanto, se aceitarmos este espírito de liberdade como ponto básico, poderemos, através de uma contribuição cultural, científica e artístia, nos fazer necessários por largo espaço de tempo. Necessito pois da vinda de artistas, médicos, pintores, músicos e outros doutores para que se possa firmar a conquista e para que a Campanha Privilegiada das Índias Ocidentais obtenha lucros correspondentes ao investimento feito.


Estabelecerei comércio com os redutos chamados Quilombos, povoados por ex-escravos que fugiram das fazendas. Pois estes, mais do que todos, repudiam os portugueses, podendo assim, ser nossos aliados contra guerrilheiros que diariamente investem contra a nossa permanência."


Recife, 3 de fevereiro de 1637
Conde Jon Maurício de Nassau Siegen
Governador Geral do Brasil Holandes"
(Extraído do Livro "Zumbi dos Palmares, A História do Brasil que não foi contada")


Um convite à refletir...



ESTA
PÁGINA
É
CORTESIA
DO

MUNDO
TEATRAL


Fale conosco

Tel: (21) 2263-3443 --- Fax: (21) 2233-1543
Enviar e-mail
Rua Sara, 24 - Santo Cristo
Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.220-090

Voltar